A rua do Comércio (e das soluções para pequenos problemas)

Desenho a traço e colorido com aquarela mostrando fachadas de quatro lojas da rua Conselheiro Mafra, cada uma de uma cor diferente

A rua Conselheiro Mafra é a rua das necessidades. A Felipe Schmidt, logo acima, é a rua dos desejos.

Ambas ficam no Centro de Florianópolis. Vai-se à Felipe Schmidt para olhar relógios, óculos escuros, roupas, perfumes e calçados e, eventualmente, comprá-los. Quem vai à Conselheiro, em contraste, sai com seu destino traçado.

Precisa de uma alça para a tampa da panela? Do copo do liquidificador? Consertar o guarda-chuva? De um zíper para a bolsa?

A Conselheiro é a via do comércio especializado e popular. Por “popular”, entenda-se aquilo que todo mundo uma hora precisa. Não porque quer, mas porque o parafuso da tampa da panela decidiu que aquele era o momento de quebrar.

Patrimônio preservado

De uns dez anos pra cá, deram uma geral na rua, principalmente perto da Praça 15 e pouco antes da subida, onde ela termina. Ganhou lojas mais bonitas e continua com seus casarões do século 19, como escreve o jornalista Carlos Damião.

Fotografia das lojas no mesmo ângulo do desenho, em uma tarde de céu azul.
Comércio tradicional da Conselheiro, fechado em um sábado à tarde

Um conjunto interessante, um pouco mais recente, é o das fachadas em art déco no trecho entre as ruas Bento Gonçalves e Pedro Ivo (foto acima). São ocupadas por estabelecimentos conhecidíssimos dos moradores: Tupã (embalagens), Vera Cruz, (aviamentos) Dermus (farmácia de manipulação) e 6B (papelaria).

Nem sempre foi assim. Quando eu era moleque e ia aos cinemas do Centro, cruzava a Conselheiro para pegar o ônibus de volta para casa no antigo terminal, na rua Francisco Tolentino. No caminho, passava por hoteizinhos baratos e prostitutas batendo pontos nas esquinas.

Mas a gentrificação já começou a partir dos grandes empreendimentos na parte alta. Em breve, quando precisarmos comprar uma tesoura de costura ou consertar um eletrodoméstico, não teremos opção – hamburguerias, cervejarias e empórios de importados não servirão para isso.

Então, em vez de tentar uma solução na velha rua do Comércio, seu nome antigo, teremos de substituir o item avariado por um novo. Não é assim que se faz no capitalismo?


  • Pena de bambu
  • Nanquim
  • Aquarela em pastilhas
  • Sketchbook Hahnemühle A3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.