Casarão da Presidente Coutinho: difícil de desenhar

De arquitetura curiosa, casa está em bom estado. Crayon sobre papel kraft

No 70º encontro do Urban Sketchers Florianópolis, arrisquei desenhar na rua. Só que, diferente do casarão anterior, que ficava numa ruela pouco frequentada, o de hoje está plantado na rua Presidente Coutinho, uma daquelas vias de Florianópolis entre o centro e Beira-Mar cheia de prédios residenciais e comerciais, clínicas, padarias e uma galeria de arte.… Continuar lendo Casarão da Presidente Coutinho: difícil de desenhar

Desenhando com música (que eu não escolhi ouvir)

Museu Victor Meirelles e fundos da agência central dos Correios. Nanquim e pastel oleoso

Tenho admiração por caricaturistas de eventos, retratistas de calçadão e outros profissionais que desenham em público com gente passando, sob o olhar dos curiosos e com música de fundo que nem sempre é suave. Em agosto de 2019, senti como é a experiência. Foi quando o Urban Sketchers Florianópolis combinou de fazer um encontro dentro… Continuar lendo Desenhando com música (que eu não escolhi ouvir)

O segundo desenho sempre sai melhor

Caixa d’água ao lado da Igreja de Pedra no Rio Tavares. Nanquim sobre papel

Quem faz desenho de observação sabe que as primeiras tentativas saem um pouco duras. É por isso que as sessões de modelo vivo costumam iniciar com um “aquecimento”, sequências de poses de menos de três minutos para o cérebro entrar no modo de representação visual. No desenho de rua, a gente se perde nos detalhes… Continuar lendo O segundo desenho sempre sai melhor

Ovas de tainha

Depois do desenho, ovas foram para a frigideira como ingrediente para uma farofa

É no outono em Florianópolis que começa a temporada da tainha, peixe que aparece nos meses sem a letra “r” (maio a agosto). Sua pesca ainda é feita de forma artesanal pela técnica de cerco e a captura dos primeiros cardumes sempre sai na imprensa. A época também causa disputas entre pescadores e surfistas pelo… Continuar lendo Ovas de tainha

Só faltou a merenda: um sábado à tarde na antiga escola Silveira de Souza

Planta em formato de “u” guarda pátio interno acessível pelos fundos

Quem passa a pé pela calçada estreita em frente do número 334 da rua Alves de Brito, no centro de Florianópolis, só consegue ver o muro alto pintado de rosa claro. É o endereço onde funcionou a antiga escola Silveira de Souza e que guarda as lembranças de quem estudou lá durante seus quase cem… Continuar lendo Só faltou a merenda: um sábado à tarde na antiga escola Silveira de Souza

Boteco pelo menos não virou farmácia

Casarão da padaria Padoka foi um boteco tradicional até 1992. Desenho com tira-linhas e nanquim

Devo ter entrado na nesse casarão no fim da rua Esteves Júnior só uma vez na vida. É uma padaria chamada Padoka. Cheguei lá de shorts e camiseta suada depois uma corrida na avenida Beira-Mar. Interpretei que enfrentar dez quilômetros com o coração na boca me dava um salvo-conduto para atacar um pão de queijo,… Continuar lendo Boteco pelo menos não virou farmácia

Desenhado mais um casarão à espera de ser demolido

Casarão onde funcionava a escola Arte.Dança, no centro de Florianópolis, foi vendido a uma construtora, que também comprou a casa ao lado

Desenhar imóveis ameaçados de demolição está virando tema recorrente do Urban Sketchers Florianópolis. Quando ficamos sabendo que uma edificação de valor arquitetônico está abandonada ou foi arrematada por uma construtora, tratamos de registrá-la antes que vire poeira. É o caso deste casarão ao lado do Hemosc, no número 140 da rua Coronel Lopes Viêira, no… Continuar lendo Desenhado mais um casarão à espera de ser demolido

Primeira praia do ano e adivinhe? Nublado

Barco na praia da Armação, em Florianópolis. Lápis e lápis aquarelável

Primeiro de janeiro antes das oito da manhã na Armação, localidade afastada no sul da ilha de Florianópolis. Céu cinza escuro, água gelada e vento meio frio pra época. É de se pensar que fosse estar vazio. Que nada. Perto do pedaço da praia onde costumamos abrir as cadeiras, mais de cinquenta pessoas na faixa… Continuar lendo Primeira praia do ano e adivinhe? Nublado

Desenhar no verão só precisa de papel, caneta e ar condicionado

Em lugares fechados, se você não para, acaba desenhando os próprios pés. Caneta tinteiro sobre papel A4

Por causa do calor que ultrapassa os 30º C, o movimento de desenho de rua Urban Sketchers Florianópolis costuma dar uma pausa em janeiro e fevereiro. Duas horas de sol na cabeça pode dar insolação e queimaduras, e o suor ainda é capaz de manchar o papel 100% algodão dos aquarelistas mais refinados. Assim, nos… Continuar lendo Desenhar no verão só precisa de papel, caneta e ar condicionado

Aeroporto: aqui o tempo não voa

Sentar na poltrona não faz o avião decolar mais rápido. Desenho com caneta tinteiro

Aviões deveriam encurtar viagens. Não dependem de estradas tortuosas, não param para os passageiros comerem misto quente, não enfrentam pedágios nem fazem pinga-pinga nas rodoviárias. Mas não há eficiência que resista a normas, procedimentos e um feriado. No dia depois do réveillon de 2020, lá estou no aeroporto de Guarulhos para embarcar em uma rota… Continuar lendo Aeroporto: aqui o tempo não voa