O que é sugerido nem sempre é óbvio

Mistura de estilos: repartição estadual e fachadas de antiquário

O muro comprido que cerca os fundos do Instituto Estadual de Educação dá de frente para construções bem esquisitas. Uma delas é o prédio da Diretoria de Saúde do Servidor, na esquina da rua Major José Augusto de Faria com a Fernando Machado. Só dá para saber o que funciona lá dentro por uma placa… Continuar lendo O que é sugerido nem sempre é óbvio

Um empurrãozinho forte no Instagram

Fortaleza de São José da Ponta Grossa. Nanquim e aquarela

É quase inverno, um daqueles dias de céu azul comuns em junho. Mesmo sendo sábado, a praia do Forte está vazia. O restaurante em frente ao mar tem só duas mesas ocupadas. Compro o ingresso para entrar no forte de São José da Ponta Grossa, local do encontro do Urban Sketchers Florianópolis. As lembranças que… Continuar lendo Um empurrãozinho forte no Instagram

Um café (e um desenho) no Largo da Alfândega

Casarões do Largo da Alfândega onde funcionam lojas de confecção e tecidos

A meia hora em que eu e Carol Grilo ficamos no café do Largo da Alfândega foi suficiente para fazer um desenho. E também para sentir o clima do centro de Florianópolis entre Natal e Ano Novo, quando os primeiros turistas aparecem e os moradores que sobraram pela cidade tentam resolver as coisas do réveillon.… Continuar lendo Um café (e um desenho) no Largo da Alfândega

O prazer das coisas mecânicas

Desenho a nanquim baseado em uma Olympus Pen

Já percebeu que, depois que uma nova tecnologia aparece para facilitar a vida, as pessoas são tomadas de nostalgia? Senão, vejamos: quando os arquivos em MP3 aposentaram LPs, CDs e fitas cassetes, os saudosistas começaram a colecionar os discos de vinil dos quais seus proprietários tinham se desfeito uma década atrás. Mesmo com os serviços… Continuar lendo O prazer das coisas mecânicas

A rua do Comércio (e das soluções para pequenos problemas)

Casario art decó da Conselheiro Mafra, desenhado no 22º encontro do Urban Sketchers Florianópolis

A rua Conselheiro Mafra é a rua das necessidades. A Felipe Schmidt, logo acima, é a rua dos desejos. Ambas ficam no Centro de Florianópolis. Vai-se à Felipe Schmidt para olhar relógios, óculos escuros, roupas, perfumes e calçados e, eventualmente, comprá-los. Quem vai à Conselheiro, em contraste, sai com seu destino traçado. Precisa de uma… Continuar lendo A rua do Comércio (e das soluções para pequenos problemas)

A capela, o cemitério e um sábado nublado

Capela São Sebastião, no Campeche. Grafite e lápis preto aquarelável

Mesmo sem nunca ter visitado a Capela São Sebastião, no Campeche, sabia que haveria um cemitério ao redor. Está no mapa e é comum em outras igrejas açorianas de Florianópolis, como no Ribeirão da Ilha e em Santo Antônio de Lisboa. Pela idade da capela, de 1826, imaginava encontrar túmulos antigos. Mas são novos, de… Continuar lendo A capela, o cemitério e um sábado nublado

Quem desenha, faz amigos

Encontre o desenhista brasileiro (dica: não está usando preto). Fotos: Carol Grilo

Imagine chegar num lugar para desenhar em grupo, mas sem conhecer ninguém. Por onde começo? Como funciona? Foi assim que me senti há exatos quatro anos, quando participei de um encontro do Urban Sketchers Medellín, na Colômbia. Foi uma coincidência feliz estarmos lá no mesmo final de semana em que eles faziam sua 99ª sessão.… Continuar lendo Quem desenha, faz amigos

Urban sketching: uma crônica do primeiro encontro

Para mim, um dos cenários mais interessantes ao redor da Praça 15

Se você gosta de desenhar, uma hora ou outra vai ouvir falar do movimento Urban Sketchers. Pode ser através de um post no Instagram ou ao descobrir o blog de algum artista. Se procurar mais, vai saber que o movimento tem “filiais” em Seattle, Lisboa, Chicago, Cingapura, São Paulo e muitas outras cidades. Mais de… Continuar lendo Urban sketching: uma crônica do primeiro encontro

A palmeira, a caneta e a motosserra

Com as sessões de modelo vivo suspensas, estou há um tempo desenhando só linhas retas. Quando muito, uma fachada em curva ou um pneu de carro. É o que vejo quando vou registrar a arquitetura nas ruas de Florianópolis. Mas hoje, estou sentado em uma espreguiçadeira no jardim em frente ao casarão do departamento de… Continuar lendo A palmeira, a caneta e a motosserra