Como estragar um desenho em duas lições

Antiga caixa d'água do bairro Mont Serrat. Local foi reformado em 2019

1) Sente-se por uma hora e meia debaixo do sol. Ponha um caderno A3 de um quilo e meio no colo. Abra a caixa de pastéis secos, escolha cuidadosamente as cores e reflita com cuidado sobre como simplificar as formas. Alimente os borrachudos que rodeiam sua perna. Satisfeito? Então, em vez de fotografar a obra,… Continuar lendo Como estragar um desenho em duas lições

Bosque Pedro Medeiros

Único porém de desenhar de manhã cedo: a luz muda rápido

A pouco mais da metade dessa obra-prima da arte ocidental, me quebra a ponta do lápis aquarelável. É o único instrumento que trouxe comigo além do pincel com água. É janeiro. Ainda estou de férias. Acordamos cedo, saímos de casa por sair, de vontade de respirar outros ares, e fomos conhecer o bosque Pedro Medeiros,… Continuar lendo Bosque Pedro Medeiros

Desenho na rua Fernando Machado

Placa de trânsito, aparelhos de ar condicionado e roupas penduradas também são parte do cenário urbano

É fim de tarde de sábado no centro de Florianópolis, em frente à Faferia, espaço cultural onde espero Carol Grilo dar sua oficina de bordado contemporâneo. Abro o banco dobrável na base da escada do prédio e começo a desenhar a rua para passar as horas. Estamos em abril de 2018, dois anos antes da… Continuar lendo Desenho na rua Fernando Machado

Casa na esquina da Bocaiúva com a Gama D’Eça

Marrom do papel kraft pode ser explorado quando se usa uma paleta limitada de cores

O tema do encontro do Urban Sketchers Florianópolis de hoje foi esta casa espremida entre prédios na esquina da avenida Professor Othon Gama D’Eça com a rua Bocaiúva. Segue resistindo, talvez por ter sido encurralada em um terreno pequeno demais para um edifício. É difícil ignorá-la. A construção de um pavimento tem a beirada do… Continuar lendo Casa na esquina da Bocaiúva com a Gama D’Eça

Mesa e cadeiras

Entardecer de domingo é quando expira a chance de fazer algo minimamente produtivo no fim de semana. Ao menos para não ficar com aquela sensação de tempo perdido.  Resolvo desenhar. De segunda a sexta, as ideias aparecem sozinhas, mas é só pegar o caderno que elas fogem igual a peixinhos na praia. O entardecer está… Continuar lendo Mesa e cadeiras

Há exatamente um ano, achávamos que a pandemia acabaria rápido

Foi em março do ano passado que nos demos conta conta de que o surto de Covid-19 era mais sério que o de H1N1 de doze anos atrás. A doença causada pelo coronavírus, mesmo com as notícias sobre a gravidade dos sintomas, dava a impressão de que ficaria confinada à Ásia ou que, no máximo,… Continuar lendo Há exatamente um ano, achávamos que a pandemia acabaria rápido

Livro totalmente feito (e desenhado) em casa vai pra rua

Meu livro 60 dias dentro de casa – Um diário ilustrado do isolamento acaba de sair. A edição traz os desenhos e textos que fiz entre março e maio deste ano. São 84 páginas com mais de quarenta obras, várias delas coloridas. Para comprar: Livro impresso (físico): Livros & Livros (online e loja física) E-book… Continuar lendo Livro totalmente feito (e desenhado) em casa vai pra rua

Sobre registrar janelas

Bate-papo na Feira Literária da Escola Autonomia com Rafael Bokor (embaixo) e Ivan Jerônimo, mediado por Sarah Mendes

Terça-feira passada, participei da Feira Literária da Escola Autonomia. O tema da conversa foi “Abra sua janela” e foi mediada pela professora Sarah Mendes, de geografia, a quem agradeço o convite. De um lado, Rafael Bokor, que registra o patrimônio do Rio de Janeiro em fotografias para o projeto Rio – Casas & Prédios Antigos.… Continuar lendo Sobre registrar janelas