Com altos e baixos, 5 mil visualizações

Fotografia de um celular sobre uma mesa amarela mostrando tela do app do Wordpress com mensagem de parabéns pelas 5 mil visualizações

O aplicativo do WordPress no celular acaba de me “parabenizar” pela marca de 5 mil visualizações neste site.

A contagem começou em março, quando transferi o site antigo para este blog. Fazendo as contas, não é muito: pouco mais de vinte visualizações por dia.

Mas acredito que o visitante de um blog preste mais atenção ao conteúdo que um usuário de rede social rolando o feed no celular a três imagens por segundo.

A média mensal oscila ao sabor dos posts com desenhos de Florianópolis, que parecem fazer mais sucesso.

Gráfico de barras com visualizações mensais, com outubro em destaque com 1002 visualizações
Gráfico do WordPress com as visitas mensais de março a outubro deste ano

As cinco páginas mais visitadas até agora são:

  1. Home e páginas de arquivo do blog
  2. Livros
  3. Eu desenho, eles derrubam
  4. Casarão da Botânica é única lembrança da fazenda onde hoje fica a UFSC
  5. Desenhado mais um casarão à espera de ser demolido

Estatísticas

Levando em conta que o motivo principal de eu alimentar um blog em plena década de 2020 é ter um espaço independente dos cálculos de exibição das plataformas, ainda não cumpri o objetivo. O Facebook permanece a maior fonte de tráfego. Muita gente deve vir do grupo Desterro Antesdonte, que compartilha fotos antigas de Florianópolis.

Gráfico mostrando evolução das visitas para 5 geradores de tráfego: Facebook, Google, Twitter, Instagram e Baidu
Visitas mensais das principais fontes de tráfego do meu site

Por outro lado, as pesquisas no Google vêm trazendo mais gente mês a mês (ainda que com uma pequena queda em outubro). É bom: indica que o conteúdo está aparecendo nas buscas, mesmo eu ignorando as regras de escrita para esses mecanismos.

E o melhor é que tenho mantido o ritmo de dois posts por semana, às quintas e domingos, durante sete meses. Além de praticar a escrita, deixo o registro dos desenhos e caligrafias sabendo que serão encontrados por quem buscá-los na web, em vez de acabarem soterrados nos feeds das grandes corporações.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *