Água que desenhista não bebe

Desenho mostrando um tablet em primeiro plano com vários materiais de desenho ao fundo. Só a tela do tablet é colorida
Arte para o tema “Desenhe uma tela” do Urban Sketchers Florianópolis

Há anos carrego a água filtrada para aquarela em uma garrafa tipo squeeze, daquelas de esportistas. É só encher e levar aos encontros na rua. Quando a sede aperta, principalmente no verão, ainda serve para beber.

Desenhando em casa por causa da pandemia, joguei um pouco de água do squeeze num pote de cerâmica branca e percebi uma cor meio amarelada.

“Será que pingou tinta?”, pensei.

Fui olhar e o fundo da garrafa estava cheio de limo verde. Não sei se são fungos, algas ou organismos procariontes (eu era muito ruim em Biologia), mas presumo que não seja venenoso ou, ao menos, que a toxicidade seja baixa. Afinal, ainda estou vivo e relativamente saudável mesmo depois de várias saídas bebendo dessa água amarela. E tampouco tive visões ou alucinações.

Mesa de desenho com o caderno, um tablet inclinado e vários materiais de desenho e pintura
Quando o fundo dá mais trabalho que o primeiro plano

Desenhar uma tela foi o tema do encontro online do Urban Sketchers Florianópolis em agosto do ano passado. Escolhi o app do serviço de streaming Mubi para poder desenhar cenas de filmes em vez de ícones e janelas (atividade que já faço no trabalho). 


  • Caneta Uni Pin ponta fina 0,8 mm
  • Aquarela
  • Guache
  • Sketchbook Maruman Art Spiral 27,3 x 21,7 cm 156 g/m²