Fundação Cultural Badesc em nanquim e aquarela

Desenho a traço colorido com aquarela da fachada da Fundação Cultural Badesc, mostrando o frontão com a sacada sustentada por colunas
Isolado da rua pelo portão e pelo terreno elevado, o espaço é um respiro da movimentação do Centro

Se tem uma coisa da qual o ex-presidente Nereu Ramos não podia reclamar é do lugar onde morou em Florianópolis entre 1930 e 1945, quando foi deputado federal e governador de Santa Catarina.

O casarão amarelo fica na esquina das ruas Artista Bittencourt e Visconde de Ouro Preto, no Centro. Foi construído em 1920 em estilo arquitetônico misto – eclético e art déco – e hoje é a sede da Fundação Cultural Badesc, referência em arte contemporânea no Estado. E é um dos meus museus preferidos aqui.

Qualquer visitante vai concordar que os 400 metros quadrados distribuídos em dois pavimentos proporcionavam espaço mais que suficiente para a família Ramos – o casal e quatro filhos. A mais velha, Olga, foi homenageada com a inscrição “OR” em ferro no portão, que está lá até hoje.

O ambiente principal, no térreo, abriga dois grandes salões onde vi muitas exposições, incluindo uma individual de Rodrigo de Haro, falecido semana passada. O espaço já recebeu mostras de Paulo Gaiad, Luiz Schwanke, Juliana Hoffmann, e Julia Iguti, minha mãe. No andar de cima, há mais duas salas de exposição e um auditório.

Foto do desenho em primeiro plano com entrada do casarão ao fundo
Construção é de 1920 e está aberta a visitantes

Em agosto de 2018, o movimento Urban Sketchers Florianópolis escolheu a Fundação para o seu 28º encontro, aproveitando a Feira de Artes Entremostras. Fiz o desenho com música ao vivo sentado em um banco no gramado da frente, fora do caminho dos visitantes.


  • Pena de bambu
  • Nanquim tipo sumi
  • Aquarela
  • Papel Canson Montval 300g/m² A3