Bosque Pedro Medeiros

Foto da casa de arquitetura açoriana com autor segurando caderno com o desenho em frente
Único porém de desenhar de manhã cedo: a luz muda rápido

A pouco mais da metade dessa obra-prima da arte ocidental, me quebra a ponta do lápis aquarelável. É o único instrumento que trouxe comigo além do pincel com água.

É janeiro. Ainda estou de férias. Acordamos cedo, saímos de casa por sair, de vontade de respirar outros ares, e fomos conhecer o bosque Pedro Medeiros, no Canto, na parte continental de Florianópolis. Acertamos o lugar – somos os únicos visitantes.

A casa do século 19 em estilo açoriano está fechada, mas é um motivo bem mais fácil de desenhar que as árvores e a vegetação. Sento no banco de concreto logo na frente, que faz parte daqueles conjuntos de cimento espalhados pela cidade. A mesa tem um tabuleiro de xadrez para as pessoas jogarem dominó.

Um terço do desenho foi feito tentando segurar um toquinho de grafite de 5 mm com os dedos.

Aí, lembrei porque prefiro lapiseiras.

Desenho a lápis de uma casa em estilo açoriano com três janelas
Casa em estilo açoriano. Grafite aquarelável sobre papel

  • Lápis Cretacolor Graphite Aquarell 8B
  • Caderno Canson Art Book One A5 100 g/m²