Um café (e um desenho) no Largo da Alfândega

Casarões do Largo da Alfândega onde funcionam lojas de confecção e tecidos

A meia hora em que eu e Carol Grilo ficamos no café do Largo da Alfândega foi suficiente para fazer um desenho. E também para sentir o clima do centro de Florianópolis entre Natal e Ano Novo, quando os primeiros turistas aparecem e os moradores que sobraram pela cidade tentam resolver as coisas do réveillon.… Continuar lendo Um café (e um desenho) no Largo da Alfândega

A palmeira, a caneta e a motosserra

Com as sessões de modelo vivo suspensas, estou há um tempo desenhando só linhas retas. Quando muito, uma fachada em curva ou um pneu de carro. É o que vejo quando vou registrar a arquitetura nas ruas de Florianópolis. Mas hoje, estou sentado em uma espreguiçadeira no jardim em frente ao casarão do departamento de… Continuar lendo A palmeira, a caneta e a motosserra

Desenhando (virtualmente) no Morro da Mariquinha

Local daria bons desenhos em um encontro presencial

É comum os grupos de Urban Sketchers espalhados pelo mundo escolherem desenhar os pontos turísticos ou históricos das suas cidades. O movimento aqui em Florianópolis, porém, tenta incluir locais menos conhecidos. O objetivo é que a atividade sirva também para os participantes conhecerem melhor o lugar onde vivem. O Morro da Mariquinha, no maciço do… Continuar lendo Desenhando (virtualmente) no Morro da Mariquinha

O dia em que conheci o Instituto

Fachada do Completo Rozendo Lima, incorporado ao Instituto em 1993

Entrei no Instituto Estadual de Educação duas vezes na vida. Na primeira, para prestar o Enad no fim da faculdade. Na última, há quase dez anos, para fazer uma pesquisa sobre um aparelho destinado a estudantes cegos para meu trabalho. Naquele dia, eu e um colega cruzamos a entrada principal carregando dois protótipos do dispositivo,… Continuar lendo O dia em que conheci o Instituto

Carro é fácil de dirigir ou você que se acostumou?

Eu poderia estar em uma sala de espera no consultório com café e música suave mas, em uma pandemia, dentro do carro é mais seguro

Não sei você, mas eu torço para que os carros autônomos tomem as ruas em menos de cinco anos. A esperança é não precisar mais dirigir e que diminuam os acidentes. Afinal, comandar um bólido de uma tonelada a oitenta quilômetros por hora, mantendo dois metros de distância dos outros, é uma atividade que exige… Continuar lendo Carro é fácil de dirigir ou você que se acostumou?

Ovas de tainha

Depois do desenho, ovas foram para a frigideira como ingrediente para uma farofa

É no outono em Florianópolis que começa a temporada da tainha, peixe que aparece nos meses sem a letra “r” (maio a agosto). Sua pesca ainda é feita de forma artesanal pela técnica de cerco e a captura dos primeiros cardumes sempre sai na imprensa. A época também causa disputas entre pescadores e surfistas pelo… Continuar lendo Ovas de tainha

Aeroporto: aqui o tempo não voa

Sentar na poltrona não faz o avião decolar mais rápido. Desenho com caneta tinteiro

Aviões deveriam encurtar viagens. Não dependem de estradas tortuosas, não param para os passageiros comerem misto quente, não enfrentam pedágios nem fazem pinga-pinga nas rodoviárias. Mas não há eficiência que resista a normas, procedimentos e um feriado. No dia depois do réveillon de 2020, lá estou no aeroporto de Guarulhos para embarcar em uma rota… Continuar lendo Aeroporto: aqui o tempo não voa

Mesa e cadeiras

Entardecer de domingo é quando expira a chance de fazer algo minimamente produtivo no fim de semana. Ao menos para não ficar com aquela sensação de tempo perdido.  Resolvo desenhar. De segunda a sexta, as ideias aparecem sozinhas, mas é só pegar o caderno que elas fogem igual a peixinhos na praia. O entardecer está… Continuar lendo Mesa e cadeiras

Há exatamente um ano, achávamos que a pandemia acabaria rápido

Foi em março do ano passado que nos demos conta conta de que o surto de Covid-19 era mais sério que o de H1N1 de doze anos atrás. A doença causada pelo coronavírus, mesmo com as notícias sobre a gravidade dos sintomas, dava a impressão de que ficaria confinada à Ásia ou que, no máximo,… Continuar lendo Há exatamente um ano, achávamos que a pandemia acabaria rápido