O playground de concreto aparente

Desenho da Assemblei Legislativa de SC em pastel seco sobre papel kraft

Mesmo que Florianópolis tenha poucos parques e praças, existem lugares mais adequados para deixar as crianças do que o prédio da Assembleia Legislativa.

Mas estamos nos anos oitenta, quando cinto de segurança era um enfeite esquecido no carro, a mamadeira dos bebês era preenchida com refrigerante e os adultos faziam sangria pra molecada (vinho diluído em água e misturado com açúcar, na receita infantil).

Foi nesse período que meus pais tinham reuniões intermináveis na Assembleia, chamada de Palácio Barriga Verde, e restava a mim e minha irmã arranjar alguma coisa para nos distrairmos.

Se você visitar o prédio com o olhar de uma criança, vai ver que esse exemplar da arquitetura brutalista, com seus volumes austeros de concreto, pode proporcionar tanta diversão quanto uma piscina com bolinhas ou uma cama elástica.

De cara, éramos recebidos por uma escultura acolchoada em couro preto que lembrava laterais de encostos de uma poltrona, mas também se parecia com perfis de pessoas. Hoje, interpreto que o artista fez uma sátira em cima dos parlamentares, foi pago e ainda teve a obra exposta na entrada principal.

Outro lugar bacana era larga escadaria do saguão central. Além de não ter guarda-corpo para proteger os deputados e os seres humanos de uma queda de um metro e meio, escondia um carrinho-plataforma embaixo dos degraus que íamos empurrando aos poucos até o vigia reclamar.

Subindo as escadas chegava-se à ampla plataforma no segundo pavimento, a tal da “esplanada cívica”, uma área aberta, também sem guarda-corpo, uns cinco metros acima do estacionamento da entrada. Elementos vazados de concreto dispostos regularmente no piso permitiam uma visão privilegiada do asfalto logo abaixo. Aqui os arquitetos tiveram o bom senso de fazer esses elementos menores que o diâmetro de uma pessoa.

Por fim, lembro de um plano inclinado de concreto em um ângulo que dava para escalar e ficar com as mão sujas de poeira, mas pode ser uma falsa memória ou esse pedaço ter ido embora na reforma de 2006.

Ironias à parte, admito que não é mesmo a melhor opção para se deixar a gurizada sem ninguém para tomar conta. Aliás, se tivéssemos esse mesmo nível de vigilância com nossos representantes lá dentro, eles fariam menos besteiras.


  • Pastel seco
  • Papel kraft 110 g/m²
  • 42 x 32 cm

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.